TIPOS DE ESCLEROSE MÚLTIPLA

Tipos de Esclerose Múltipla

Há várias formas de EM, que podem progredir para formas mais agressivas ou manterem-se estáveis, dependendo de cada paciente.

Esclerose Múltipla Remitente Recorrente (EMRR):

é a forma mais comum de EM, atingindo aproximadamente 85% dos pacientes. As pessoas com esse tipo de EM apresentam episódios de surtos ou crises agudas, quando há o aparecimento de sintomas novos ou piora dos sintomas que já existem, seguidos de períodos em que diminuem ou desaparecem de forma completa ou incompleta, chamados de períodos de remissão. O intervalo de tempo entre os surtos é imprevisível, podendo variar de semanas a anos, e também difere de paciente para paciente.

Esclerose Múltipla Primária Progressiva (EMPP):

é a forma menos comum, atingindo cerca de 10% dos pacientes. A pessoa com esse tipo de EM tem sintomas que aparecem e pioram progressivamente, sendo que não há diferenças entre períodos de surtos e de remissões.

Esclerose Múltipla Primária Recidivante (EMPR):

essa forma de EM caracteriza-se por apresentar sintomas que progridem desde o início do quadro. Porém, diferentemente da EMPP, consegue-se identificar os períodos de surtos, seguidos de remissões com recuperação total ou parcial dos sintomas.

Esclerose Múltipla Secundária Progressiva:

nesse tipo de EM, geralmente, após um período de Esclerose Múltipla Remitente Recorrente (EMRR), com surtos e remissões, a pessoa desenvolve a forma Secundária Progressiva. Nesta forma, as disfunções do sistema nervoso central levam à progressão da doença, com piora dos sintomas. Aproximadamente 50% das pessoas EMRR desenvolvem a forma Secundária Progressiva num período de 10 anos. 

Referências

1. Koch et al. J NeurolSciences 2013; 324 :10–16
Koutsouraki et al. Int Review Psychiatry 2010; 22(1): 2–13
Scalfari et al. J Neurol Neurosurg Psychiatry 2013; 00:1-9
Scalfari et al. Brain 2010: 133; 1914–1929
Compston, Coles. Lancet 2008; 372: 1502–17
Bentzen et al. Mult Scler 2010;16(5):520-5
Sarasoja et al. Acta Neurol Scand 2004;110: 331–336
Celius et al. Acta Neurol Scand 2009; 120 (Suppl. 189): 27–29
Ahlgren Mult Scler  2011; 17(8) 901–908
Koch-Henriksen et al. Scand J Public Health 2011; 39:180

2. Barten LJ et al. Drug Des Devel Ther 2010;4:343-66;  2. Bates D. Neurology 2011;76:S1-2;  3. Trapp BD, Nave KA. Annu Rev Neurosci 2008;31:247-69.  Table from Hurwitz BJ. Neurology 2011;76:S7-13.

3. Lipsy RJ et al. J Manag Care Pharm 2009;15:S2-15;  2. Lublin FD, Reingold SC. Neurology 1996;46:907-11;  3. Compston A. McAlpine’s Multiple Sclerosis. 2006.  Images adapted from Lublin FD, Reingold SC. Neurology 1996.

4. Compston A. McAlpine’s. Multiple Sclerosis. 2006; Jacobs LD et al. Mult Scler 1999;5:369-76.

Última Atualização: 15/04/2016 

ACESSE AQUI OUTROS CONTEÚDOS
DE ESCLEROSE MÚLTIPLA